quinta-feira, 20 de julho de 2017

Todas as tochas da paz

Vamos
Que a cadeia
Não é lugar
Pra gente não!...

Mas tem uns homens
Que roubam a gente
E vivem contentes
Com seus poderes,
Cumprindo pena
Numa puta mansão.

Como nunca andei distante,
Penso em partir auto exilado.
Cansar disso tudo já descrente,
Eu também mudo o país de lado.

“Murro em ponta de faca”. Já dei!
Muito mais do que podia imaginar.
Do pressuposto de que nada eu sei,
Foi que aprendi a entender e sonhar.

Com os livros, palácios na paisagem;
Um mar que bate líquido em rochas,
Nas cores robustas das lindas auroras.
Na floresta que acende todas as tochas.




(Cristiano Jeronimo – 20.07.2017)

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Espelho para olhar


Presente de grego
é um Cavalo de Tróia.
Presente de Congresso
É nosso braço na tipoia;
Presente de índio agora
Não tem espelho ou olhar.

Negócio de chinês é bom
A roleta gira como um furacão.
O Dudu vem barato bombom
É que veio da China e é falso;
Eles sabem como se deve fazer.

Negócio brasileiro, pode esperar!
Viajar o mundo inteiro sem dinheiro
                      pra pagar...
O petróleo que era nosso está sendo
                                                protestado
Nos altos tribunais dos Estados Unidos.
As ações que eram boas viraram insônia.
E nós estamos, na incerteza, aturdidos...



(Cristiano J. 17.07.2017)

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Simbólica queda do boi


De vez em quando,
Karla sai do normal.
O seu lindo encanto,
Fuga p’outro canto.
E, em meio, aos desencantos,
De alegrias, ela sorri e chora.
Depois volta tudo ao mesmo ponto
E, mesmo que ela não esteja pronta,
Karla mantém o cartaz em toda a cidade
Karla esquece numa velocidade...
Karla!
Fica aqui na paz sem neuroses e fobias
Na verdade, isso faz parte do destino dos teus dias;
Transformar remédio em veneno,
Suportado porque o norte é glacial.
Este é um conselho dado;
O próximo será cobrado.
Consultoria da nossa vida espiritual.
- Karla, vai no Centro Espírita, se cuida!
“Não existe nada depois da morte” –
Se escuta da querida e muito doida criatura.
Mas uma coisa é certa e verdadeira,
Ninguém viverá durante a vida inteira.
E o tempo é curto para amar e olhar.
Para dar para o outro um pouco das nossas besteiras.
- Besteira, meu irmão!
- Não sei mais quem é homem de bem.
- Aparecem mais de 200 cordas de ladrões.
Vamos voar, morar no ar, correr o campo
Com cheiro de mato, e um bezerro engordado,
Lembrando a simbólica queda do boi.
Na cocheira da lembrança de um beira-rio
Na cachoeira do Capibaribe, queria me banhar.
Karla é da fazenda. Vive e trabalha lá.


(Cristiano Jerônimo)


quinta-feira, 22 de junho de 2017

PISA DE CIPÓ DE CANSANÇÃO


(No espinhaço dos ladrões desta Nação)

Na esquina, um pipoco...
Eco do topo da pirâmide,
Das árvores mal plantadas
Para frutos que nos assustam.

Vítimas culpadas e desespero
As matilhas secam o sangue
Como políticos chupa-cabras
Não deixam o povo criar asas.

Na província desta metrópole,
As tradições são contradições.
O ente donatário e poderoso
O chefe não serve para chefiar.

Perdoe-me. Não são só críticas.
Elogiar o obrigatório também.
E pago não é obrigação nenhuma.
Já é demais para nossa planície,
Se iludir com a máfia e a sandice.

A máfia mora ali nas repartições,
Sede dos poderes constituídos...
Sede da nossa falácia tida “Nação”.
Os caramujos vão voar como lagartas
Os sertanejos calçarão as alpercatas.
Cada um com um bacamarte
Invocando Antônio Conselheiro,
Lampião, a dar uma pisa de cansanção
No espinhaço de cada um desses
Empedernidos e cruéis, que roubam
O que a gente leva anos para trabalhar.

                      ####### 

Aquele velho Vandré já nos dizia:
“É a volta do cipó de aroeira
no lombo de quem mandou dar!”.



(Cristiano Jerônimo – 21.06.17)




domingo, 11 de junho de 2017

O julgamento da sociedade


Como a sexta-feira cobra de mim,
A segunda-feira cobra também...
A fatura do cartão venceu e ele voou
De manhã, esbaforido, ele voltou.

Porque a vida agora é se endividar
Para depois ter que se virar e pagar.
Trabalhar o dia inteiro sem descanso
E na hora de receber parece engano...

Como a vida cobra muito de mim,
A morte, soturna, cobra também.
Propaganda chamando o funeral;
A gente comprando um lugar ideal.

O espírito e outros sutis anjos e seus
Te perguntam se tu clamas por Deus.
Ou se tens duas velas acesas, covardes,
Até o dia em que tu se arrependeres.

Mudança vem com o passar do tempo
E a alegria é um susto intermitente/dia
A tristeza e a solidão desnecessárias,
O julgamento da sociedade sem ressalvas.



(Cristiano Jerônimo – 08.06.2017)

quarta-feira, 7 de junho de 2017

PASSOS DA ESCADA SEM DEGRAUS


Crise, ela agora mora na marquise
E ele vem todo dia esquentar-lhe.
Planeta em procela indescritível,
Povos leva a terra abaixo do chão.

Crise, agora também meio liso;
A sorte é fundir contas e sorrisos.
A ilusão faz parte do medo de ir;
E coragem é a pura arte de amar.

Luz, dá vida a tudo o que conduz.
A mesa está posta e não há nada
Que a gente possa lhe oferecer.
Estava a lutar muito por outro dia.

Luz, mais que ouro é o que reluz.
Corrida pelas serras peladas da vida;
Sem saber que o ouro é e será ilusão,
Nas mãos de quem mais se endivida.

Afeto, para todos ficarem mais quietos.
Roberto, vai chamar o Erasmo Carlos.
Toda vida tem o seu bolero e dança...
A gente cai, se levanta e não se cansa.


(Cristiano Jerônimo - 06.06.2017)

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Genuflexório


É no genuflexório
Da cadeira da analista
Que confesso o indizível
Como quem mente para o padre.

Uma mudança de abordagem
Uma outra reciclagem;
De Freud a Lacan,
Às dez horas da manhã.
(Toda terça no divã).

Esvaziar para depois encher
Colocar as toxinas para fora
Ver a soma das coisas do dia a dia
Para que não seja levada pela maresia.

É na mesa do jantar onde mais brilha
A intensidade da luz de cada um.
É no pisar de seguir adiante a trilha
Que possa levar a gente a algum lugar.

Volto ao genuflexório da sala da analista.
(Imploro ao padre que segure e resista).
E só confesso às paredes, com seus ouvidos
E A emparedada da Rua Nova, Boa Vista.

O tempo vai passar; há de muito melhorar;
Vamos seguir com fé nesse nosso caminhar.




(Cristiano Jerônimo)

Todas as tochas da paz

Vamos Que a cadeia Não é lugar Pra gente não!... Mas tem uns homens Que roubam a gente E vivem contentes Com seus poder...