sábado, 7 de novembro de 2009

Expressão


Cada qual

Com seu

Cada qual;

A cada dia

Basta seu mal.

A ninguém

Convém

Estar ao lado,

Se não for

Tão partido;

Se não for

Tão colado.

Minhas letras

São poucas

Para exprimir

Tal recado.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Feira da existência









A leitura como propulsora de escolhas

Temos que nos “ligar” nos interruptores que acionamos ao longo da nossa vida. É comum, muita gente apertar todos os botões da tomada para depois sair apagando o que não precisa. É comum também, no prédio, corrermos do elevador social para o de serviços, só para ver qual deles chega primeiro. Não podemos desperdiçar a energia e o raciocínio, que nos levaria a manter-nos calmos e com a certeza de para onde, e como, desejamos ir. Um, elevador de cada vez.

A vida é assim feita de escolhas. O mundo, do ponto de vista ocidental, é como um supermercado. A vida, o carro de compras. As escolhas, os corredores e as prateleiras. As decisões, os produtos. Cada um compõe a sua feira da existência. Suas causas e suas consequências. Lembrando de que nem tudo passa no caixa. O dilema que vai à raiz da questão ocidental é que – ao contrário de todos os produtos e serviços, dos contratos, bancos e créditos sob o Código do Consumidor – a vida não aceita troca, nem vem com manual geral ou personalizado. Tampouco há garantia de nada, a não ser do que você construa. Até por que está comprovado (científica, espiritual e psicologicamente) que cada um de nós somos únicos, desde o DNA físico.

A organização do tempo e os registros históricos e filosóficos dos povos é algo muito recente. Coisa de apenas três mil anos compilados (1.000 AC e 2.009 DC), diante de povos com cinco, dez mil anos de organização, tais os incas, maias, astecas, negros africanos e índios brasileiros, além dos brancos e pardos europeus e asiáticos. A leitura da amostragem das experiências humanas e o processamento das ideias e escolhas, através (ainda e por muito) dos livros são essenciais para a construção de cada indivíduo. Vão depender, contudo, do que conseguirmos apreender de conhecimentos.

Privar alguém dos livros, ou mesmo escolher "o que tem que ler" ou "deve ser lido" pelas pessoas, soa – de imediato – como o mesmo que não avisar aos condôminos que, além dos dois elevadores, em caso de enguiço, existe uma escada de serviço. As bibliotecas nos esperam de páginas abertas.

domingo, 1 de novembro de 2009

Mata do Prata


Todos intelectuais
De pernas cruzadas.
Entre um trago e outro,
Falavam em poesia,
Verso e prosa;
Filosofia;
Direito, sociologia...

Além da metafísica,
Dois prédios já invadem
Concretamente a Mata do Prata.
Na medida imediata do impossível,
Seqüelas se transformam em cura.

Todas as tochas da paz

Vamos Que a cadeia Não é lugar Pra gente não!... Mas tem uns homens Que roubam a gente E vivem contentes Com seus poder...