sexta-feira, 12 de junho de 2009

Nosso encontro


Jair Martins


Tudo estava preparado.
Nas campinas, a relva deixava no manuscrito do verde
a serenidade de um aconchego.
No vento, mensageiro do perfume doce do terno dia,
o futuro do envolvimento das nossas vidas.
E o relógio do tempo obediente as badaladas do destino
já marcara o nosso encontro nas encruzilhadas da vida,
tendo como bússola o coração.
Era chegada a hora ideal das nossas vidas cruzarem-se.
No ponteiro maior que corre os minutos e os segundos,
contava a nossa emoção.
No ponteiro menor, superior e impoluto do inteiro,
estava prescrito o certo da nossa paixão.
Qual som de sinos a tinir, nosso encontro aconteceu
soando um despertar de aurora
cintilante amor que renasce
como antídoto ao abrolhos cortizantes
rebentados no coração abandonado.
E neste ajuntamento
que o tempo prescreveu à hora marcada,
nos encontramos.
Agora, corre a carretilha do relógio tempo,
dando todo o tempo, ao tempo do nosso amor.
Antes de haver mundo, nasci para ti.....
EU apenas, tornei a achar-te.

(Dedicado aos queridos Meri Rezende e Cristiano Jerônimo Rezende)

Um comentário:

  1. A transmissão de vida gera uma profundidade nos versos que refletem a exatidão do sentimento que predomina no coração.
    Como explicar tão grande amor que super
    abundou o meu ser?
    Sou muitoooo feliz ao lado de Cris...dádiva de Deus para mim!
    Beijos para minha querida poetisa Jair e para meu grande e único amor, Cristiano Jerônimo!
    Muito lisonjeada,
    Meri Rezende :)

    ResponderExcluir

PISA DE CIPÓ DE CANSANÇÃO

( No espinhaço dos ladrões desta Nação ) Na esquina, um pipoco... Eco do topo da pirâmide, Das árvores mal plantadas Para fru...