segunda-feira, 6 de março de 2017

Como sinto (papel)

Eu estou enferrujado
igual a sapo sem lago
como cobra sem “gia”,
como torcer
sem ter lado ou dor.

Estou tão pensativo
como um pescador.
e ando atrevido;
tangendo essa dor.

Mas ando meio tão animado;
vi aqui sorrindo ao meu lado,
no meio do corrupio da besta
No lapidar de todas as arestas:

Elas dançarem nuas na festa
leveram todos a dançar
e colocar nos seus lugares
os infantes militares;
os escribas dos cabarés.
a noite tão lúdica
e eu tentando
descrever tudo
num papel.


(Cristiano jerônimo – 06.03.2017)




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os mouros do sertão

Eu sou do solo do pé rachado. Onde hidratante não dá jeito. Sou pé trincado do próprio solo; Do colo da flor que brota no leito. ...