quarta-feira, 9 de abril de 2008

Régua do destino


Norma levava uma vida sem regras
Media o tamanho da vida na régua
Achava legal uma vida sem normas
Buscava prazer de todas as formas.

Brincava de fazer o outro mais feliz
E carregava no peito a dor de aprendiz
Enquanto o mundo sinalizava virtude
Norma nunca desaprendia a ser rude.

Até que a vida lhe deu uma rasteira
E Norma, coitada, ficou de bobeira;
Para ter um aprender compulsório
Sabia no fundo que nada era ilusório.

Ela sabia ia aprender tudo de novo
Sentiu-se um pinto saindo do ovo
E a beleza da vida lhe pode ensinar:
As coisas, às vezes, têm que ser devagar.

Um comentário:

  1. Norma tem uma prima
    o nome dela é Disciplina
    que não é parente distante
    e é necessária a todo instante
    Disciplina é boa para a busca da virtude
    ela diz: quanto mais se faz , mais se aprende e se vc ficar parado até se ilude!
    Norma e disciplina costumam dialogar à tardinha
    pra melhorar o que é possível no outro dia
    pq sabem que o outro dia é mesmo outro,
    apesar das regras às vezes fazerem parecer a vida monótona.
    Norma bem sabe disso, pq vê com olhos laboriosos
    e diz: Disciplina, minha querida vem comigo
    juntas a cada segundo a gente é mais!
    Um beijo

    ResponderExcluir

PISA DE CIPÓ DE CANSANÇÃO

( No espinhaço dos ladrões desta Nação ) Na esquina, um pipoco... Eco do topo da pirâmide, Das árvores mal plantadas Para fru...