sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

recife de rua


vagueia um menino qualquer

qualquer rua...

matura qualquer menino

vidrado na lua...

sobre a cidade

de água indecisa,

sob a verdade

crua e concisa

repousam as asas

da contradição:

do que é da terra de Deus

e o que é de um mundo de cão.

um rebanho de bichos do mato

...meninos...

...cidade...mata...

...MENINOS...


Escrito em 1993 e publicado em 1999 no 2º Congresso Brasileiro de Escritores (UBE)

Um comentário:

  1. Belíssimo poema! Você sempre me surpreende!Beijos, meu amigo poeta!

    ResponderExcluir

Se alternam

Cataclismos, seca e procelas Água que não brota da serra Bicho que não bebe e morre, Até a onça vai comer os bodes. Noutra...