sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

recife de rua


vagueia um menino qualquer

qualquer rua...

matura qualquer menino

vidrado na lua...

sobre a cidade

de água indecisa,

sob a verdade

crua e concisa

repousam as asas

da contradição:

do que é da terra de Deus

e o que é de um mundo de cão.

um rebanho de bichos do mato

...meninos...

...cidade...mata...

...MENINOS...


Escrito em 1993 e publicado em 1999 no 2º Congresso Brasileiro de Escritores (UBE)

Um comentário:

  1. Belíssimo poema! Você sempre me surpreende!Beijos, meu amigo poeta!

    ResponderExcluir

Quevedo (A hora...)

Eu não posso dar conta da realidade, Se toda vez que percorro essa cidade, Desponta luz toda sorte de iniquidades; Porque se diz ...