quinta-feira, 21 de julho de 2016

NOSSO ENCONTRO

Jair Martins


Tudo estava preparado.

Nas campinas, a relva deixava no manuscrito do verde

a serenidade de um aconchego.

No vento, mensageiro do perfume doce do terno dia,

o futuro do envolvimento das nossas vidas.

E o relógio do tempo obediente as badaladas do destino

já marcara o nosso encontro nas encruzilhadas da vida,

tendo como bússola o coração.

Era chegada a hora ideal das nossas vidas cruzarem-se.

No ponteiro maior que corre os minutos e os segundos,

contava a nossa emoção.

No ponteiro menor, superior e impoluto do inteiro,

estava prescrito o certo da nossa paixão.

Qual som de sinos a tinir,
nosso encontro aconteceu

soando um despertar de aurora

cintilante amor que renasce

como antídoto ao abrolhos cortizantes

rebentados no coração abandonado.

E neste ajuntamento

que o tempo prescreveu à hora marcada,

nos encontramos.

Agora, corre a carretilha do relógio tempo,

dando todo o tempo, ao tempo do nosso amor.

Antes de haver mundo, nasci para ti.....

EU apenas, tornei a achar-te.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um cangaço de afeto

Sede na subida da serra, Água de cabaça pra beber. E a capemba do caldeirão Vem do pé de coco catolé. Esses brejos de altitud...