segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Genealogia da cidade

 
O dia amanheceu sorrindo, lindo
E as pessoas de papelão nem ligaram.
Passaram a noite em mais uma ilusão
E terminaram o outro dia igual ao outro.

Um já me disse que um barraco custa caro
E onde morava não tinha a quem pedir...
Ouviu falar em emprego, não sabia ler;
Queria mandar uma carta, sem escrever.

Escrever que a família mandasse passagem
Para ele voltar de uma desastrosa viagem,
Com gosto de deserto e um oásis de vertigem.
Mofo, poeira, poluição do nosso ar e fuligem.

Outros se jogaram no abismo da Duque de Caxias
E não se deram conta que era a própria vida que jazia.
Todos os outros estão no trabalho e em seus afazeres;
Com cara de segunda-feira e seus profundos quereres...


(Cristiano Jerônimo - 12.09.2016)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Limite dos sábios

Bem ao meu lado Eu não sentia você Que agora está com o rosto colado Para assistirmos tevê. Tomarmos um banho, um café... n...