quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Todo mundo vinha



Quando sugam
São pessoas
Perdidas.

Nos bordéis
Modernos da vida
Brilham os ternos.

O homem lá da rua
Imagina ela toda nua
Porque já comeu.

O homem é um mendigo
Na calçada esmolando
Uma porta saída.

Tem gente
Que não cheira
O vento do mar
Não sabe ver a vida

Tem gente
Que não cheira
O vento do mar
Não sabe ver a vida

Mas há que se consiga
Lhe agradar o dinheiro
Quando o ralo
Se olha no espelho.

Ninguém olha
Em volta de você,
Que vê com olhos
de peixe.

Mas que se tirasse
na loteria,
Todo mundo vinha.

Todo mundo vinha.                Refrão



Cristiano Jerônimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um cangaço de afeto

Sede na subida da serra, Água de cabaça pra beber. E a capemba do caldeirão Vem do pé de coco catolé. Esses brejos de altitud...