sábado, 28 de janeiro de 2017

Cidade Cool

Mas que cidade cool
O que vale é o poder.
Tem cena de um blue;
Tem crepe pra comer.

Se nota é o dinheiro,
A galera fica cega
Com a riqueza do doleiro
Então a turma não ‘manera’.


Mas que cidade azul
Que acaba sem chover
O rio seboso é tão lindo
E horrível de se ver.

Se carro é caráter,
Beleza é patente
Corra lá dessa gente
Vá se proteger.

Mas que cidade cool
O que vale é o ter
Na cena de um blues
Eu não quero nem saber.


(Cristiano Jerônimo – 28.11.2017)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um cangaço de afeto

Sede na subida da serra, Água de cabaça pra beber. E a capemba do caldeirão Vem do pé de coco catolé. Esses brejos de altitud...