sábado, 8 de outubro de 2016

Primeira vez

Entre em mim descalça e na espuma
Penetre na minha alma o teu belo cio
Preencha, com calma, todo o vazio
Me enfeite com o cão sem plumas.

Deitados, estrelados, ecoando nesse mar
Abraçados, beijados pela areia da praia
Sem ver ninguém aqui nem outro lugar
A lua observa pela sua clara luz que raia.

Estamos no maior de todos os êxtases
Nosso farol de neblina está apagado
A luz alta, a luz baixa, luzes por meses
Até nos contorcermos paralisados...

E nos reconhecermos pela primeira vez.




(Cristiano Jerônimo)

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quevedo (A hora...)

Eu não posso dar conta da realidade, Se toda vez que percorro essa cidade, Desponta luz toda sorte de iniquidades; Porque se diz ...