domingo, 16 de outubro de 2016

Humanismo

Eu não sou mais
quem eu era
E continuo eu
A viver entre as feras
Como Prometeu.

Humanismo livre
Eu continuo eu
Subindo declives
Buscando o que é meu.

Não há antes,
Presente do futuro.
Pulo logo o muro
E vou adiante.

Nada adianta
Passado o susto,
Tentar relembrar
Que não foi justo.




(Cristiano Jerônimo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um cangaço de afeto

Sede na subida da serra, Água de cabaça pra beber. E a capemba do caldeirão Vem do pé de coco catolé. Esses brejos de altitud...