sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Oportuna

Enquanto em nada se acredita,
O homem salta as maravilhas;
Se enreda em toscas armadilhas
E quando não vence, então grita...

Insensata direção, novo rumo...
Uma nova partida para atacar.
Um decolar da cor do céu dourado;
Um degustar do mais puro sumo...

Lealdade purificando o coração.
Em igreja, lindo altar dourado...
Mostra as faces da contradição.

Dar-se não custa quando se investe
Todas as fichas no que é apaziguado
Em algum lugar que reside no passado.



Cristiano Jerônimo

2 comentários:

  1. "quando se é feliz na ignorância , loucura tornar-se sábio'...
    Bela poesia poeta...
    bjs,
    Eva

    ResponderExcluir

Um cangaço de afeto

Sede na subida da serra, Água de cabaça pra beber. E a capemba do caldeirão Vem do pé de coco catolé. Esses brejos de altitud...