quarta-feira, 26 de março de 2008

Segredo


Por quanto tempo eu vivia parado
E procurava saídas;
Até que um dia me vi acuado
E pensando na vida.

Só era eu mesmo e não tinha pior
Era estrada comprida;
Esqueci a tarefa de salto e de cor
Mas pulei armadilhas.

Eu vi o sol e outras coisas brilhantes
Me fiz melhor e vivi outro instante
Sabendo bem pouco o suficiente
Vi que gente é pra ser gente...

No meu caminho havia uma menina
Que veio ensinar;
Sabedorias em que a vida leva à sina
Difícil de encontrar.

Não era mais só e havia um enredo
Com início, meio e fim;
E mesmo morrendo de medo
Tirei o segredo de dentro de mim.

Um comentário:

Quevedo (A hora...)

Eu não posso dar conta da realidade, Se toda vez que percorro essa cidade, Desponta luz toda sorte de iniquidades; Porque se diz ...